Lagarta Lanuda

quarta-feira, novembro 29, 2006

Thanksgiving # 2

Assim que chegou de San Diego, Nick perguntou-me como tinha sido o meu primeiro jantar de Thanksgiving. Mais do que ninguém, Nick queria mesmo que eu provasse todas as iguarias que os americanos levam semanas a preparar e que, conta quem sabe, são meeesmo boas. Minutos antes de partir, fez-me decorar a lista de pratos que constam da refeição (eu decorei-a com carinho e a prova é o post anterior, não me esqueci de nada, mesmo com esta memória de lagarta) e explicou que o melhor stuffing é o de pão de milho, as mãos parece que amassam, de preferência feito em casa, dias antes do grande dia; insistiu, o sorriso parece de miúdo de cinco anos, para que eu experimentasse um turkey drumstick, que só as crianças comem; descreveu a consistência, a boca parece que morde, da pumpkin pie perfeita; nem por um segundo hesitou, sabedoria parece de pai, quando perguntei, má, má, se se chama stuffing, porque é que é servido à parte.
Por isso, quando chegou e perguntou como tinha sido o meu primeiro jantar de Thanksgiving, não conseguiu esconder a desilusão quando lhe disse, baixinho, que, afinal, como éramos todos estrangeiros (argentinos, alemães, israelitas, australianos, portuguesa), não tínhamos tido um Thanksgiving tradicional. Mas tinha havido roast chicken, quite good, actually, lembrei-me de acrescentar.
Well, at least it was a bird.
Olhos parece de beijo por dar.