Lagarta Lanuda

sexta-feira, junho 23, 2006

O Y pediu a nove pessoas que escolhessem a música dos GNR, já com vinte e cinco anos, meus velhinhos, que levariam para uma ilha deserta. Eu levaria o Rui Reininho, himself. Escreveríamos poemas sem nexo à sombra das palmeiras e afastaríamos os navios de carga poluente que nos quisessem salvar do nosso cinismo.
Enquanto isso não acontece, escolho também a música de GNR que passaria para o IPod, se tivesse IPod e se tivesse GNR noutro formato que não o vinil.
Acordei a cantá-la uma manhã destas, e não fazia ideia que ainda pudesse saber a letra de cor. Mas a memória é uma coisa fenomenal e, enquanto lavava os dentes, atinei com o tom, quando fiz a cama entrei no ritmo, quando me vestia já dançava, e quando acabei o café e a torrada já cantava de seguida, sem me enganar, a cantilena - é mesmo uma cantilena - do refrão de "Cerimónias", que está no álbum Psicopátria, 1986 (meu deus, vinte anos), aquele com um tipo a mergulhar no Douro.

Tu lavas eu limpo
tu sonhas eu durmo
tu branco e eu tinto
tu sabes eu invento
tu calas eu minto
arrumas e eu rego
retocas eu pinto
cozinhamos para três
tu mordes eu trinco
detestas eu gosto
magoas eu brinco

Eu teria os meus dezasseis anos (snif snif, suspiro, olhar distante e nublado, como só os portugueses sabem fazer quando fingem nostalgia ou saudade) e ouvia ad nauseam esta e outras canções igualmente incoerentes e sonhava com a relação perfeita, caótica e desastrosa, como são todas as relações perfeitas.
Depois de umas trezentas relações perfeitas, já começo a pensar que o melhor é que gostemos os dois nem de branco nem de tinto. Antes de imperial. Ao final da tarde, num recanto da cidade, de preferência com vista para o rio. Lá estou eu a pedir demasiado..

sexta-feira, junho 09, 2006

Lagarta Latente

Segunda, terça, tanto faz, qualquer dia é um bom dia para ver amigos nos diversos suplementos do Público.
Hoje foi a vez do Stuart Staples, o que vem confirmar o que era apenas uma suspeita - esta foi uma semana muito boa.
Long live latency.

terça-feira, junho 06, 2006

No outro dia, a minha amiga Tats encontrou uma na salada da cantina. Eu estava lá e vi. Era verdinha, como eu. Mas não parecia muito bem disposta. Culpa do vinagre, suponho.
Tenho de admitir que, nas saladas, as lagartas não têm muita piada.

quinta-feira, junho 01, 2006

Dia da Criança

As lágrimas de Chihiro voam com a força do vento quando se recorda do nome verdadeiro do amigo-rio, e as minhas rolam teimosas cara abaixo, como sempre nesta parte do filme.
Que bonito que é o Dia da Criança.