Lagarta Lanuda

quarta-feira, agosto 31, 2005

belle por belle

Temporariamente decidi trocar os meus queriduchos belle & sebastian pelos beady belle. Eles dizem «can i hurt you in a good way?», que é uma frase gira, assim a cair no oxímoro e na marotice, e lembram-me a minha toalha de praia e os bellos tempos que tenho passado a protegê-la do sol de agosto.

quinta-feira, agosto 25, 2005

I trust my socks


É verdade que a roupinha certa no momento certo pode fazer milagres. Não tivesse eu o meu quê de Rititi e nunca poderia acreditar numa banda que canta «I trust my socks».

domingo, agosto 07, 2005

A primeira vez



Esta é uma das duas hélices que me trouxeram de volta a casa há uns dias. É a hélice de um De Havilland DHC-8 série 300, carinhosamente chamado Dash 8 pelos canadianos, que construíram a aeronave (assim parece maior) no início dos anos oitenta (oitenta!!). Apesar de velhinha, esta hélice, e a outra do outro lado, aguentou estoicamente a viagem e eu também, não sem primeiro ter desfeito os braços do assento com as unhas; ter lido de pernas para o ar as primeiras páginas do livro que tinha como incumbência salvar-me do conforto entediante do voo de um air bus; ter prometido deixar de fumar, de ouvir tanto belle and sebastian e de comer bolas de berlim na praia; ter jurado que ia beber mais água e comer mais espinafres e soja e tofu e bambu e o que quer que seja que eles andem a pôr nos iogurtes hoje em dia... se porventura voltasse a sentir terra firme debaixo dos pés.
Afinal, o rapaz que ia ao meu lado era um porreiraço e, juntos, enquanto bebíamos o zumo de piña que a companhia aérea nos ofereceu para adoçar a queda iminente, partilhámos, em inglês, a nossa primeira vez a bordo de um De Havilland, entre risos e nervosismo - como em qualquer primeira vez.
Quando aterrámos lembrei-me que, afinal, nunca fumei.

sexta-feira, agosto 05, 2005

And, right now, my favorite book is you

And then one night we discovered that at eleven o'clock the cashier of the Hilltop Theater went home and the manager disappeared into his office, and so that summer we saw the last quarter of at least fifteen movies, and then when we were driving home - driving Brenda home, that is - we would try to reconstruct the beginnings of the films. Our favorite last quarter of a movie was Ma and Pa Kettle in the City, our favorite fruit, greengage plums, and our favorite, our only, people, each other.

Philip Roth, Goodbye Columbus

quarta-feira, agosto 03, 2005

A viúva Ching, pirata

La palabra corsarias corre el albur de despertar un recuerdo que es vagamente incómodo: el de una ya descolorida zarzuela, con sus teorías de evidentes mucamas, que hacían de piratas coreográficas en mares de notáble cartón. Sin embargo, ha habido corsarias: mujeres hábiles en la maniobra marinera, en el gobierno de tripulaciones bestiales y en la persecución y saqueo de naves de alto bordo. Una de ellas fue Mary Read, que declaró una vez que la profesión de pirata no era para qualquiera, y que, para ejercela con dignidad, era preciso ser un hombre de coraje, como ella.



Jorge Luis Borges, "La viuda Ching, pirata",
Historia universal de la infamia

terça-feira, agosto 02, 2005

Os quatro elementos: ar



Nuage
, de Apel-les Fenosa (1899-1988), no Poble Espanyol.

segunda-feira, agosto 01, 2005

"De otros lados"

- Están riquísimas - dijo Gekrepten -. Ya me comí dos mientras las freía, son una verdadera espuma, creeme.
- Cebá otro amargo, vieja - dijo Oliveira.

- En seguida, amor. Esperá que primero te cambio la compresa de agua fría.

- Gracias. Es muy raro comer tortas fritas con los ojos tapados, che. Así deben entrenar a los puntos que van a descubrirnos el cosmos.

- ¿Los que van volando a la luna en esos aparatos, no? Los meten en una cápsula o algo así, ¿verdad?

- Sí, y les dan tortas fritas con mate.


Julio Cortázar, Rayuela